7 Coisas sobre a Fertilidade Feminina que você PRECISA saber

A questão da fertilidade feminina é um assunto muito debatido no mundo inteiro. Milhares são os estudos que tentam desvendar quais os reais problemas que afetam milhares de mulheres, que por razões também diversas, não conseguem engravidar. Os especialistas apontam que a primeira questão a ser esclarecida é a diversidade de mitos que são repassados por pessoas que não entendem sobre o assunto – amigas, avós, mães – que tentam de uma maneira ou de outra “desvendar as causar da não gravidez desta ou daquela mulher”. Acontece que os fatores que envolvem a infertilidade feminina passam por razões biológicas e algumas dessas razões ainda são desconhecidas pela medicina.

Médicos que são especialistas no assunto infertilidade apontam algumas causas comprovadas e reais que devem ser de conhecimento geral. E, para aquelas que ainda não foram contempladas pela natureza ou que adiaram o sonho da maternidade, há 7 questões que precisam ser conhecidas:

1 – Dietas e exercícios preservam a fertilidade feminina – isso é um mito. Há uma queda que é considerada natural na qualidade dos óvulos com o passar dos anos, independente de a mulher ser saudável ou não. Além disso, com o passar dos anos, em especial após a faixa dos 40, a mulher fica muito mais suscetível a um aborto espontâneo. Mulheres grávidas na casa dos quarenta anos ​​são muito mais propensas a sofrer complicações, como pré-eclâmpsia e gravidez ectópica, além de serem mais propensas a precisar de uma cesariana. Os bebês que nascem destas mães são mais propensos a serem prematuros, menores ou a apresentar Síndrome de Down e/ou outras doenças genéticas.

2 – A pílula anticoncepcional oral não interfere na maior ou menor fertilidade da mulher. Dizer que uma mulher que ingeriu a pílula por anos a fio não irá engravidar contraria todas as estatísticas de mulheres que pararam com a pílula e engravidaram no mês seguinte. No entanto, os métodos contraceptivos injetáveis já possuem um poder mais acumulativo, mas que passado o período de funcionamento, não afetam diretamente no processo de gravidez. A dificuldade que uma mulher apresenta para engravidar depois de parar de tomar a pílula, pode ser fruto de mudanças que tenham ocorrido naturalmente, ao longo do tempo, no seu ciclo menstrual, que nada tenham a ver com o medicamento em si.

3 – Não é preciso manter relações sexuais todos os dias para engravidar. Vale lembrar que o esperma se mantem vivo até 72 horas no corpo feminino. Transformar a relação sexual em uma obrigação não é o caminho mais rápido para engravidar. Além disso, ter relações sexuais mais de uma vez por dia, durante alguns dias, pode reduzir a contagem de espermatozoides.

4 – Infertilidade causa estresse, mas o estresse não é a fonte da causa da infertilidade. As pesquisas mostram que a maioria dos casos de infertilidade é resultado de problemas físicos no sistema reprodutivo da mulher ou do homem e os fatores psicológicos raramente são a causa primária da infertilidade do casal. Ao saberem que não podem engravidar, há uma depressão que pode dificultar ainda mais o processo.

5 – Menstruações regulares não garantem que a mulher tenha óvulos saudáveis, que é o que torna a gravidez possível. A incidência de problemas de saúde que comprometem a fertilidade de um casal varia de acordo com a idade. Os problemas com a fertilidade atingem em grande parte as mulheres de mais de 30 anos e a média sobe quando elas atingem a casa dos 40.

6 – Sofrer um aborto somente afeta a fertilidade da mulher se ela tiver alguma complicação, durante ou após o procedimento. Uma infecção, por exemplo, pode deixar cicatrizes no útero, que poderia interferir na implantação de um novo embrião.

7 – Quem já teve um filho não possui nenhuma garantia de que terá outro. São comuns os casos de infertilidade secundária, quando um casal não consegue engravidar ou levar uma gravidez até o final, após já terem tido um filho. Esse tipo de infertilidade é tão comum quanto a infertilidade primária, sem ocorrência de gravidez anterior.

E então … você já conhecia todos esses pontos sobre a fertilidade feminina?

 



Deixe um Comentário